fbpx Skip to content

Uma mulher Malgaxe e as mulheres que traçaram o seu caminho

By Mercy Kambura

4.3 Queen

Ramatoa Razarinia foi uma das primeiras mulheres malgaxes a ser enviada como missionária para a costa sudeste de Madagáscar. Nascida em 1867, seguiria trilhando um caminho cheio de mulheres que moveram montanhas com ela e por ela. Como o apóstolo Paulo em Romanos 16, que envia saudações às mulheres que trabalharam arduamente no Senhor, a vida de Razarinia era preenchida por tais mulheres.

Três rainhas

Três rainhas do Reino de Madagáscar foram colocadas no poder no momento certo, abrindo caminho para o trabalho missionário. A rainha Rasoherina governou de 1863 a 1868. O seu esposo, o rei Radama, restabeleceu a liberdade de culto e a criação de escolas. Após a sua morte, a rainha prosseguiu e ampliou o âmbito das suas acções. Isso abriu portas para o crescimento da educação que marcaria as missões em geral e o chamado de Razarinia, em particular.

A rainha seguinte, Ranavalona II, fez do cristianismo a fé da corte real, abrindo ainda mais o caminho para a influência cristã na ilha, durante o seu reinado de 15 anos.

Três sectores tinham precedência: a educação, a medicina e a evangelização.

Foi a sua sucessora, a rainha Ranavalona III, que organizou uma cerimónia de despedida à Razarinia, na capela real, na época da consagração de Razarinia como missionária em 1890.

A mãe dela

Como Eunice, mãe de Timóteo, a mãe de Razarinia desempenhou um papel importante na sua conversão e o chamado missionário. Depois de ter criado a escola da igreja na sua cidade natal, ela levou Razarinia com ela, para a escola, todos os dias.

Acompanhar a mãe ajudou-a a adaptar-se ao ritmo da vida escolar. Aos sete anos, ela ingressou na Escola de Ensino Médio para Meninas(Girls High School) administrada pela Amigos Sociedade de Missões Estrangeiras (Friends Foreign Mission Society) em Faravohitra. Depois de terminar os seus estudos, ela permaneceu como professora durante sete anos.

A sua aldeia ainda não tinha sido alcançada com o Evangelho e isso a entristecia, assim como os males sociais, como a violência e o alcoolismo. O chamado missionário de Razarinia foi confirmado quando uma mulher da Cruz Azul Internacional chegou a Antananarivo com uma agenda para combater o alcoolismo.

Amigos

Além das mulheres durante os seus anos de infância, Ramatoa foi influenciada por amigas ao longo da sua vida. Uma era Razafinimanana. Após dois anos de preparação completa, em 1890, elas foram enviadas juntas para a costa sudeste de Madagáscar. Elas serviram na movimentada estação missionária de Ambahy, onde três sectores tinham precedência: a educação, a medicina e a evangelização.

Razarinia casou-se com o governador da vizinha Farafangana, Rajonah, e tiveram um filho, Gabriel. No entanto, Rajonah foi morto em 1895 durante a guerra franco-malgaxe.

Razarinia e os seus companheiros missionários acabaram por deixar a região sob os cuidados da Missão Luterana Norueguesa e mudaram-se para a região montanhosa de Betsileo. Sempre apaixonada pelo bem-estar das meninas, ela leccionou estudos bíblicos e habilidades práticas para vida num colégio de formação de professores.

Em Ambohimahasoa, Betsileo, ela contribuiu para o estabelecimento de uma escola para meninas onde ficou a leccionar durante 23 anos. Ela também ensinou meninas que trabalhavam como empregadas domésticas e que não tinham outros meios de educação.

Razarinia finalmente deixou o seu lar adoptivo em Betsileo e regressou a Antananarivo, em Dezembro de 1926. Mas o trabalho ainda não tinha terminado e ela acabou por aceitar mais convites para ensinar. Razarinia manteve-se activa na igreja e em missões, até mesmo na aposentadoria. No dia de Natal de 1946, Razarinia Ramatoa juntou-se ao seu Salvador na glória. Para leituras adicionais: https://dacb. org/stories/madagascar/razarinia/

foto:  J. Geiser Algier

share
share
Instagram
contact us
contact us
contact us